Obra debaixo de chuva

Obras ou reformas demandam atenção redobrada durante a época de chuvas

Período das águas não é o mais indicado para mexer com reparos em casa. Especialistas orientam como lidar com algumas situações

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 11/11/2013 12:04 Sara Lira /Estado de Minas
Eduardo Almeida/RA Studio

O período chuvoso já começou e com ele alguns cuidados devem ser tomados na hora de fazer obras ou reformas. Seja por demora na secagem dos materiais ou simplesmente pela dificuldade de se trabalhar com material de construção debaixo de chuva, é necessário tomar alguns cuidados para que a obra não se transforme em dor de cabeça sem solução. Segundo o engenheiro civil e supervisor de obras da Geraes Construtora José Maurício Maia de Menezes, mesmo alguns procedimentos internos merecem atenção devido à umidade, como a troca ou assentamento do piso. “A massa demora mais para secar, por isso o ideal é usar argamassa colante industrializada, composta por cimento, areia e aditivos que retêm água e promovem melhor aderência. Quando misturada com água, ela forma uma massa viscosa, plástica e adesiva, empregada no assentamento de placas cerâmicas de revestimento”, explica.

Para bater a laje é necessário cobri-la com lona depois dos trabalhos porque a água em excesso vai alterar o fator/cimento, que é o equilíbrio das quantidades exatas desses dois materiais. Uma chuva fina pode até auxiliar nesse processo, uma vez que a laje terminada precisa ser umidificada para melhorar a resistência do concreto, mas nada de chuva forte. “O concreto não pode receber água demais porque senão atrapalha o serviço”, afirma José Maurício.

Outras ações como pintura e obras em tubulações também merecem atenção. No primeiro caso pelo mesmo motivo da demora na secagem, mas nada que impeça o processo, desde que seja realizado internamente. Do lado externo fica impossível porque quando a superfície é pintada ela é selada e a água fica retida na parede. Como a umidade não consegue sair, ela evapora e estoura a pintura. “Para passar tinta do lado de fora a parede tem que estar totalmente seca”, afirma o especialista. No segundo caso, ao manusear tubulações de água pluvial, se não conseguir fazer a religação antes de a chuva começar a água pode cair dentro de casa.

Um problema que muitos moradores enfrentam no período chuvoso é o das infiltrações. Para evitá-las, o proprietário deve verificar a limpeza de calhas e dutos, bem como o estado das telhas e do telhado. Para consertar infiltrações na laje não é indicada a impermeabilização com manta asfáltica debaixo de chuva, mas sim com manta líquida, que demanda menos tempo de aplicação. “Para aplicar a (manta) asfáltica a base tem que estar 100% seca. Já o segundo tipo, além de ter uma aplicação mais rápida, pode ser colocada com um pouco de umidade. Ela tem uma grande elasticidade, garantindo a impermeabilidade da laje”, pontua José Maurício. Mas ele destaca que o ideal é fazer a manutenção no decorrer do ano para evitar a ocorrência de infiltrações.

O engenheiro destaca também que os trabalhadores da construção civil precisam redobrar os cuidados no período chuvoso para evitar acidentes. “Deve-se evitar trabalho com vergalhão de aço por causa de descargas elétricas e também trabalhos em altura devido a raios. Além disso, estruturas ou andaimes molhados aumentam o risco de queda”, lembra.

DOBRO DO TEMPO
A engenheira Márcia Rezende administra obra no Bairro Santo Antônio, na capital, e diz que alguns procedimentos devem ser evitados em dias de muita umidade  - Beto Novaes/EM/D.A Press A engenheira Márcia Rezende administra obra no Bairro Santo Antônio, na capital, e diz que alguns procedimentos devem ser evitados em dias de muita umidade

A engenheira civil Márcia de Rezende Costa está à frente da reforma de um apartamento e da construção de uma casa. No primeiro caso, as obras são de modificação interna, que incluem ampliação de espaço e troca das partes hidráulica e elétrica. As modificações têm sido realizadas normalmente, mas o cuidado maior é com o assentamento do piso. Em relação à troca hidráulica e elétrica, o reparo está atrasado porque não para de chover. Segundo ela, o reboco leva mais tempo para ficar completamente seco quando está chovendo. “O que gastaria em média dois dias pode chegar a quatro ou cinco. Mas para realizar o procedimento do lado externo o ideal é esperar a estiagem. Se acabou de assentar a massa e começar a chover, o reboco vai cair porque a massa não adere ao tijolo umedecido e escorre”, diz.

Tags: cuidados

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
20 de outubro de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura