Venda de apartamentos prontos volta a crescer em BH, mas preço desacelera

Ano passado foram vendidas 20.466 unidades contra 18.578 em 2012. Apesar do aumento de unidade, preço dos imóveis teve menor alta em nove anos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 25/03/2014 15:08 Paulo Henrique Lobato /Estado de Minas
CMI/Secovi/Divulgação
Depois de duas retrações anuais consecutivas, a quantidade de apartamentos prontos vendidos em Belo Horizonte voltou a crescer no acumulado de 2013: foram 20.466 unidades contra 18.578 em 2012, 19.445 em 2011 e 20.827 em 2010. Por outro lado, o preço médio (R$ 407.173,62) desse tipo de imóvel apurou a menor alta dos últimos nove anos: 7,4% em relação ao de 2012 (R$ 379.224,81). É a primeira vez desde 2005 que o avanço do preço médio de um ano para outro não atinge dois dígitos. Para se ter ideia, o indicador havia crescido 22,79% de 2011 para 2012.

Ainda assim, o resultado superou a inflação oficial de 2013 – o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 5,91%. “Depois de uma queda na quantidade de apartamentos vendidos em 2012, esse segmento se recuperou no ano passado. O preço médio do nosso mercado vai caminhar em linha com a inflação”, prevê o presidente da Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI/Secovi-MG), Evandro Negrão de Lima Júnior.

Ele acrescenta que o mercado já aguardava a desaceleração do preço médio dos apartamentos, cujas vendas correspondem a mais de 70% das transações de imóveis comerciais e residenciais. Os empresários do setor preferem avaliar a recuperação do nível de vendas e fazem questão de destacar dois dados: o salto de 417,2% no preço médio dos apartamentos entre dezembro de 2013 (R$ 491.217,72) e igual mês de 2004 (R$ 94.972) – a estatística não leva em conta a inflação acumulada no período – e o aumento no volume de imóveis negociados entre 2012 e o ano passado.

O mercado de apartamentos é um dos termômetros da economia da cidade. As transações desse tipo de imóvel respondem por mais de 70% das negociações comerciais e residenciais na capital. Em relação às vendas de todos os tipos de imóveis (apartamentos, casas, salas etc.), o mercado registrou alta de 5,6% entre 2012 e 2013, de 26.620 unidades para 28.110 registros. Em cifras, essas operações saltaram 16,6%, de R$ 9,6 bilhões para R$ 11,2 bilhões. Já a quantidade de casas vendidas no ano passado foi menor do que em 2012, de 2.873 para 2.845, com o valor dos negócios passando de R$ 1,07 bilhão para R$ 1,22 bilhão. Esse tipo de residência ocupa o segundo lugar no ranking de transações imobiliárias em BH, com 11% das operações. Os dados foram divulgados pela CMI/Secovi-MG e elaborados em parceria com o Instituto de Pesquisas Econômicas e Administrativas da Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG).

ITBI MAIS ALTO

De acordo com a Prefeitura de Belo Horizonte, a receita com o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis por Ato Oneroso Inter-Vivos (ITBI) saltou 13,3% nos dois últimos anos, de R$ 309 milhões para R$ 350 milhões – a alíquota do ITBI é de 2,5%, mas passará para 3% a partir de maio. Boa parte do aumento da arrecadação com o tributo se deve às vendas dos apartamentos prontos (20.466 unidades, alta de 10,16% em relação aos 18.578 registros de 2012). Resultado: a cifra com essas transações passou, no mesmo confronto, de R$ 7,05 bilhões para R$ 8,33 bilhões, um avanço de 18,15%.

Tags: apartamentos

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Ricardo - 25de Março às 18:09
Prefeito ORDINÁRIO, ou sei lá qual adjetivo usar. Além do aumento dos preços ele mete ainda mais a mão no bolso dos BELORIZONTINOS aumentando a alíquota em 25% (2,5% para 3% = aumento 25%)

Últimas Notícias

ver todas
17 de junho de 2018

No Lugar Certo você encontra o que procura